Nossa Sede

Avenida Genésia B. Tarantino, 115 - Jardim Paulista - São José dos Campos/SP - Fone: 12 3302-5996


  • Participação nos Lucros

    Acompanhe as últimas informações sobre a PLR

  • Edição 86 #

    lEIA O JORNAL CORREIO DO TRABALHADOR

  • Demissão Irregular #

    Carteiro é reintegrado em Ubatuba

  • Lucro só aumenta:

    E a PLR?

  • sexta-feira, 12 de setembro de 2014

    Trabalhadores paralisados no CDD São Dimas. Foto: Marcelo Schimidt

    Nesta última quarta-feira, dia 10, os trabalhadores do CDD São Dimas paralisaram suas atividades por mais de meia hora, pra protestar contra as dobras, que são excessivas na unidade.

    Sabemos que a falta de funcionários é um problema grave que atinge todos os setores dos Correios no país.

    No CDD São Dimas, região central de São José dos Campos, essa situação passou dos limites e causou revolta nos trabalhadores.

    As dobras são tão constantes que já fazem parte da rotina de trabalho neste setor. 



    "A dobra é um abuso da empresa, na ausência de um trabalhador outro é obrigado a cobrir seu serviço, executando o trabalho de duas ou até mais pessoas. Mas os ecetistas não são obrigados a trabalhar dobrado! Mais contratações por concurso público é uma das reivindicações da Campanha Salarial e a categoria está mobilizada." Declarou Marcílio Medeiros, presidente do Sintect-VP

    Infelizmente vimos que no CDD São Dimas a situação extrapola os limites, trabalhadores fazem dobras substituindo trabalhadores que estão emprestados cobrindo outras unidades. Ou seja, é um "tapa aqui, descobre ali". Infelizmente esta situação se arrasta em outras unidades também. Isso sem contar com os setores onde existem ecetistas afastados por doença e alguns em férias.


    Desse jeito a ECT vai acabar nos submetendo a regime cada vez mais parecido com escravidão! Nossos colegas estão adoecendo pela demanda de trabalho. São doenças físicas, lesões por movimentos repetitivos e até problemas psicológicos que não são poucos. Os trabalhadores adoecem e mais dobras acontecem. Já se tornou uma bola de neve! E são tantos brasileiros em busca de emprego... 
    Queremos solução imediata! Mais contratações por concurso público já!


    Trabalhadores do CDD São Dimas fazem paralisação contra as dobras

    Postado As:  07:10  |  Em:    |  Mais informações »

    Trabalhadores paralisados no CDD São Dimas. Foto: Marcelo Schimidt

    Nesta última quarta-feira, dia 10, os trabalhadores do CDD São Dimas paralisaram suas atividades por mais de meia hora, pra protestar contra as dobras, que são excessivas na unidade.

    Sabemos que a falta de funcionários é um problema grave que atinge todos os setores dos Correios no país.

    No CDD São Dimas, região central de São José dos Campos, essa situação passou dos limites e causou revolta nos trabalhadores.

    As dobras são tão constantes que já fazem parte da rotina de trabalho neste setor. 



    "A dobra é um abuso da empresa, na ausência de um trabalhador outro é obrigado a cobrir seu serviço, executando o trabalho de duas ou até mais pessoas. Mas os ecetistas não são obrigados a trabalhar dobrado! Mais contratações por concurso público é uma das reivindicações da Campanha Salarial e a categoria está mobilizada." Declarou Marcílio Medeiros, presidente do Sintect-VP

    Infelizmente vimos que no CDD São Dimas a situação extrapola os limites, trabalhadores fazem dobras substituindo trabalhadores que estão emprestados cobrindo outras unidades. Ou seja, é um "tapa aqui, descobre ali". Infelizmente esta situação se arrasta em outras unidades também. Isso sem contar com os setores onde existem ecetistas afastados por doença e alguns em férias.


    Desse jeito a ECT vai acabar nos submetendo a regime cada vez mais parecido com escravidão! Nossos colegas estão adoecendo pela demanda de trabalho. São doenças físicas, lesões por movimentos repetitivos e até problemas psicológicos que não são poucos. Os trabalhadores adoecem e mais dobras acontecem. Já se tornou uma bola de neve! E são tantos brasileiros em busca de emprego... 
    Queremos solução imediata! Mais contratações por concurso público já!


    segunda-feira, 8 de setembro de 2014

    Fonte: jornal Valor econômico
    A privatização dos Correios de Portugal (CTT) foi concluída no dia 5 de setembro, em uma operação que rendeu 343 milhões de euros para a Parpública, holding que gere as participações do governo.
    As informações são do jornal português Público. As ações foram vendidas a 7,25 euros cada, em um processo chamado de "accelerated bookbuilding", pelo qual os papéis foram oferecidos a investidores institucionais.
    A parcela vendida nesse procedimento equivalia a cerca de 31,5% do capital social da CTT. O restante já tinha sido vendido na primeira fase da privatização, que aconteceu no fim do ano passado. 
    Ao todo, a holding levantou 909,2 milhões de euros, que devem ser usados por Portugal para reduzir sua dívida e seu déficit públicos.
    O valor da venda das ações representa um desconto superior a 7% em relação ao fechamento de ontem, o que faz com que os ativos do CCT operem em queda de mais de 5% na bolsa de Lisboa.
    Privatização é algo bom ou ruim?
    Aqui no Brasil, o PT atacou as privatizações de FHC e alertou para a possibilidade de que, caso Serra ganhasse as eleições presidenciais, porém o que se viu foi um governo totalmente contraditório de Lula e Dilma (PT) que seguiu privatizando tanto quanto ou até mais que os governos do PSDB.
    No caso dos Correios, você acha correto o governo Dilma privatizar uma das estatais mais importantes?  
    O PSDB dizia que o dinheiro ganho com as privatizações seria revertido em saúde e educação, o que se comprovou uma mentira completa. A situação da saúde e educação piorou ainda mais, e o dinheiro acabou nos bolsos corruptos dos políticos do PSDB. Mas e as privatizações do PT?
    Mesmo com toda a burocracia ligada ao capital privado que administra as estatais, pode-se comprovar o dinamismo de uma Petrobras, a eficiência dos Correios. Não é por acaso que os Correios são uma das instituições mais respeitadas do país. 
    Caso seja concretizada a privatização, como foi em Portugal, a qualidade dos serviços vai cair, porque a empresa vai buscar apenas o lucro, e deixar de lado as operações básicas, como já está ocorrendo. Os Correios hoje fazem de tudo! Até serviços bancários! e o serviço de entregas de correspondências e objetos estão ficando sem investimentos e os trabalhadores em péssimas condições de trabalho.E agora? O governo Dilma já tinha privatizado os aeroportos do país. E está privatizando os Correios. É a maior privatização da história dos governos petistas. Vai ficar ao lado das privatizações da Vale, CSN e Embraer como uma das maiores de todos os tempos no país.
    Os trabalhadores dos Correios estão em campanha salarial. Os que defendem a CSP- Conlutas estão juntando a defesa de seu reajuste salarial com a campanha política contra a terceirização do plano de saúde e contra a privatização da estatal.  Vamos juntos lutar para o melhor da população e dos trabalhadores ecetistas.

    Leia mais em:
    http://www.valor.com.br/internacional/3684448/portugal-conclui-privatizacao-dos-correios#ixzz3CkeU1ARd

    Portugal conclui privatização dos Correios e governo embolsa 343 milhões

    Postado As:  12:01  |  Em:    |  Mais informações »

    Fonte: jornal Valor econômico
    A privatização dos Correios de Portugal (CTT) foi concluída no dia 5 de setembro, em uma operação que rendeu 343 milhões de euros para a Parpública, holding que gere as participações do governo.
    As informações são do jornal português Público. As ações foram vendidas a 7,25 euros cada, em um processo chamado de "accelerated bookbuilding", pelo qual os papéis foram oferecidos a investidores institucionais.
    A parcela vendida nesse procedimento equivalia a cerca de 31,5% do capital social da CTT. O restante já tinha sido vendido na primeira fase da privatização, que aconteceu no fim do ano passado. 
    Ao todo, a holding levantou 909,2 milhões de euros, que devem ser usados por Portugal para reduzir sua dívida e seu déficit públicos.
    O valor da venda das ações representa um desconto superior a 7% em relação ao fechamento de ontem, o que faz com que os ativos do CCT operem em queda de mais de 5% na bolsa de Lisboa.
    Privatização é algo bom ou ruim?
    Aqui no Brasil, o PT atacou as privatizações de FHC e alertou para a possibilidade de que, caso Serra ganhasse as eleições presidenciais, porém o que se viu foi um governo totalmente contraditório de Lula e Dilma (PT) que seguiu privatizando tanto quanto ou até mais que os governos do PSDB.
    No caso dos Correios, você acha correto o governo Dilma privatizar uma das estatais mais importantes?  
    O PSDB dizia que o dinheiro ganho com as privatizações seria revertido em saúde e educação, o que se comprovou uma mentira completa. A situação da saúde e educação piorou ainda mais, e o dinheiro acabou nos bolsos corruptos dos políticos do PSDB. Mas e as privatizações do PT?
    Mesmo com toda a burocracia ligada ao capital privado que administra as estatais, pode-se comprovar o dinamismo de uma Petrobras, a eficiência dos Correios. Não é por acaso que os Correios são uma das instituições mais respeitadas do país. 
    Caso seja concretizada a privatização, como foi em Portugal, a qualidade dos serviços vai cair, porque a empresa vai buscar apenas o lucro, e deixar de lado as operações básicas, como já está ocorrendo. Os Correios hoje fazem de tudo! Até serviços bancários! e o serviço de entregas de correspondências e objetos estão ficando sem investimentos e os trabalhadores em péssimas condições de trabalho.E agora? O governo Dilma já tinha privatizado os aeroportos do país. E está privatizando os Correios. É a maior privatização da história dos governos petistas. Vai ficar ao lado das privatizações da Vale, CSN e Embraer como uma das maiores de todos os tempos no país.
    Os trabalhadores dos Correios estão em campanha salarial. Os que defendem a CSP- Conlutas estão juntando a defesa de seu reajuste salarial com a campanha política contra a terceirização do plano de saúde e contra a privatização da estatal.  Vamos juntos lutar para o melhor da população e dos trabalhadores ecetistas.

    Leia mais em:
    http://www.valor.com.br/internacional/3684448/portugal-conclui-privatizacao-dos-correios#ixzz3CkeU1ARd

    quinta-feira, 4 de setembro de 2014



    Os Correios foram eleitos a instituição mais confiável do Brasil, no prêmio Marcas de Confiança em pesquisa, realizada pela Revista Seleções e pelo Ibope Inteligência.
    O estudo apontou o serviço prestado pela estatal como o mais confiável pela população 77%. 

    A empresa é campeã invicta da categoria pela 12ª vez consecutiva, tudo isso graças ao seu quadro de funcionários que, apesar de toda precarização, salários baixos e péssimas condições de trabalho, continuam exercendo suas funções com excelência trabalhando para o bem da população.

    O estudo foi realizado pela internet com 1.300 pessoas entre os meses de maio e junho e revela a confiança do público em 38 categorias (Instituições, Profissões, ONGs e Redes Sociais) e seis grupos de personalidades brasileiras (Apresentador, Ator, Cantor, Publicitário, Executivo e Esportista).

    O contraditório disso é que mesmo os trabalhadores dos Correios exercendo suas funções com toda essa confiabilidade e primor, não podem comemorar sua remuneração que é a mais baixa entre as empresas estatais do país. 

    Segundo o presidente do Sintect-VP Marcílio Medeiros, o piso salarial de R$1084,00 (mil e oitenta e quatro reais) não dá para sobreviver e sustentar uma família. A categoria está em Campanha Salarial e a direção dos Correios ofereceu como reajuste o mínimo possível, 6,5% cobrindo apenas a inflação do período com ZERO de aumento real. 
    "É contraditório o reconhecimento da nossa força de trabalho. Carregamos a Empresa nas costas e sequer temos uma justa participação nos Lucros e resultados. Ao mesmo tempo em que executamos o serviço mais confiável do Brasil, temos o pior piso salarial de todas as empresas públicas do país" declarou Marcílio Medeiros.

    No momento, a categoria está mobilizada por melhores condições de trabalho, contra o assédio moral exercido por chefes e supervisores, contra a terceirização do plano de saúde, por mais contratações através de concurso público, reajuste salarial de 11,3% das perdas salariais além dos 6,5% da inflação, Pagamento imediato da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), dentre outras reivindicações presentas na pauta da Campanha Salarial deste ano.

    Diante deste quadro, todas as reivindicações são justas e necessárias. O Governo Federal do PT pode e deve atender as reivindicações dos trabalhadores que com seu suor e com trabalho duro, conquistam altos lucros e prestígio para a Empresa. Basta de exploração! É necessário valorizar os trabalhadores!

    Reconhecimento da população: Estudos apontam que ecetistas executam o serviço mais confiável do Brasil

    Postado As:  11:25  |  Em:    |  Mais informações »



    Os Correios foram eleitos a instituição mais confiável do Brasil, no prêmio Marcas de Confiança em pesquisa, realizada pela Revista Seleções e pelo Ibope Inteligência.
    O estudo apontou o serviço prestado pela estatal como o mais confiável pela população 77%. 

    A empresa é campeã invicta da categoria pela 12ª vez consecutiva, tudo isso graças ao seu quadro de funcionários que, apesar de toda precarização, salários baixos e péssimas condições de trabalho, continuam exercendo suas funções com excelência trabalhando para o bem da população.

    O estudo foi realizado pela internet com 1.300 pessoas entre os meses de maio e junho e revela a confiança do público em 38 categorias (Instituições, Profissões, ONGs e Redes Sociais) e seis grupos de personalidades brasileiras (Apresentador, Ator, Cantor, Publicitário, Executivo e Esportista).

    O contraditório disso é que mesmo os trabalhadores dos Correios exercendo suas funções com toda essa confiabilidade e primor, não podem comemorar sua remuneração que é a mais baixa entre as empresas estatais do país. 

    Segundo o presidente do Sintect-VP Marcílio Medeiros, o piso salarial de R$1084,00 (mil e oitenta e quatro reais) não dá para sobreviver e sustentar uma família. A categoria está em Campanha Salarial e a direção dos Correios ofereceu como reajuste o mínimo possível, 6,5% cobrindo apenas a inflação do período com ZERO de aumento real. 
    "É contraditório o reconhecimento da nossa força de trabalho. Carregamos a Empresa nas costas e sequer temos uma justa participação nos Lucros e resultados. Ao mesmo tempo em que executamos o serviço mais confiável do Brasil, temos o pior piso salarial de todas as empresas públicas do país" declarou Marcílio Medeiros.

    No momento, a categoria está mobilizada por melhores condições de trabalho, contra o assédio moral exercido por chefes e supervisores, contra a terceirização do plano de saúde, por mais contratações através de concurso público, reajuste salarial de 11,3% das perdas salariais além dos 6,5% da inflação, Pagamento imediato da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), dentre outras reivindicações presentas na pauta da Campanha Salarial deste ano.

    Diante deste quadro, todas as reivindicações são justas e necessárias. O Governo Federal do PT pode e deve atender as reivindicações dos trabalhadores que com seu suor e com trabalho duro, conquistam altos lucros e prestígio para a Empresa. Basta de exploração! É necessário valorizar os trabalhadores!

    20ª edição do Grito dos Excluídos terá como tema: "Manifestações de rua por liberdade e direitos".

    Ato deve acontecer em mais de mil cidades pelo país



    Fonte: CSP-Conlutas


    Neste ano, o 20º Grito dos Excluídos trará como tema as mobilizações que ocorreram com força no ano passado e início deste ano de Copa no país.


    O evento, que ocorre em todo feriado de 7 de Setembro, desta vez tem como lema “Ocupar as ruas e praças por liberdades e direitos,” e é organizado por movimentos sociais e pastorais católicas, acompanhando pautas da Campanha da Fraternidade 2014, “Fraternidade e Tráfico Humano”.


    Na capital paulista, o ato acontecerá às 9h, e será iniciado com uma missa na Catedral da Sé, seguida depois por uma caminhada até o Parque da Independência, no Ipiranga.


    Entre os temas abordados estão a repressão policial, a criminalização dos movimentos sociais e a violência de Estado, temas constantes durante as mobilizações de 2013 e 2014, assim como o direito à cidade e violações de direitos.


    O Grito dos Excluídos tem por objetivo tornar público a voz e o rosto dos grupos excluídos, “vítimas do desemprego, da miséria e da fome”, e entoa a disposição de luta de classes contra as políticas neoliberais e os ataques do Estado contra o povo.


    Já se tornou um tradição a CSP-Conlutas e suas entidades e movimentos filiados se somarem a essa mobilização, participando das atividades organizadas nas diversas cidades onde ocorrem os atos. Neste ano não será diferente.


    Confira as pautas que serão abordadas nos atos pelo país:


    - Juventude e a Exclusão denuncia a realidade de profunda exclusão social, sem nenhum acesso, ou acesso precário, aos bens culturais, sociais e condições para uma vida digna. Além do que, muitas vezes, são vítimas da prostituição, do assédio do tráfico de drogas ou vítimas do uso abusivo dessas drogas, o que ocasiona as rupturas dos vínculos comunitários e a rua surge como saída para a sobrevivência.


    - Comunicação, queremos denunciar os meios de comunicação de massa que vêm, ao longo da história, utilizando as mídias como instrumento de poder, alienação e manipulação da juventude e da sociedade. As mídias alternativas apresentam-se como uma forma de democratizar as informações, articular, mobilizar e impulsionar a organização coletiva em prol de objetivos comuns. Queremos anunciar que outra forma de comunicação é possível.

    - Políticas Públicas. O Grito desafia toda a sociedade a debater sobre políticas públicas para a juventude com os movimentos sociais e poder público, para que de fato as políticas públicas sejam implementadas e monitoradas, visando uma sociedade mais justa e igualitária.


    - Extermínio da Juventude: A juventude está sofrendo com a violência e o extermínio no Brasil. Os/as jovens de 15 a 24 anos são as principais vítimas de morte, estendendo-se, de forma significativa, até os 29 anos de idade. O Grito dos/as Excluídos/as clama por paz e justiça, contra qualquer tipo de extermínio, seja físico ou mental, que atinja nossa juventude e convida a todos/as a somar-se às lutas que já vêm acontecendo.


    - Juventude e Projeto Popular para o Brasil. Os jovens do campo, das periferias e favelas, das escolas e universidades, são constantemente disputados pelo projeto capitalista. É em contraposição a este projeto que os jovens devem se lançar, no desafio da construção do Projeto Popular.


    - Povos Indígenas/Tradicionais. O modelo de desenvolvimento desenfreado vem recheado de imposições na execução de seus projetos. No Brasil, o avanço da ocupação amazônica coloca em risco a delimitação de terras indígenas e quilombolas, pois existem interesses de indústrias de extrativismo e do próprio Estado com as novas políticas energéticas. Ainda, a promoção de grandes eventos internacionais vem servindo de justificativa para promover uma série de violações contra a população, como desapropriações de comunidades tradicionais – quilombolas e indígenas – projetos que tendem a somente enriquecer empreiteiras, conglomerados de comunicação e outras grandes corporações. Queremos mudanças profundas! Como a demarcação de terra e autonomia desses povos historicamente vítimas de exclusão, extermínio e escravidão. Para isso destacamos o protagonismo assumido pelos povos indígenas, que lutam pelo reconhecimento de seus territórios e denunciam as agressões e mortes que vêm sofrendo. Esse também é nosso grito!


    - Violência contra a Mulher. O número de mulheres violentadas cresce a cada ano: a cada 15 segundos uma mulher é vítima de violência no Brasil. Isso se dá pela grande desigualdade entre homens e mulheres. No mundo do trabalho, as mulheres que estão nos espaços de poder e decisão ainda são poucas, sem falar do salário, que embora exerçam a mesma função do homem, continua sendo 28% inferior ao deles. Grande parte das mulheres, especificamente 70% são ou já foram violentadas por homens e muitas vezes esta agressão parte do próprio companheiro. Como desafio, temos que nos apropriar da Lei Maria da Penha. O Grito impulsiona a discussão do papel do homem e da mulher, para que possamos combater este mal pela raiz.


    Confira o hino desta edição do Grito dos Excluídos:
    Hino do Grito dos Excluídos 2014
    (Jadir Bonacina)
    Vamos ocupar as ruas e praças
    Por liberdade e direitos
    Garantir direitos e não faltar o pão
    O povo não abre mão
    Mas é preciso ir às ruas
    Para ter solução
    Ir as ruas tem que ter objetivo
    Se não é um perigo
    Mas o povo não é bobo
    Pois lutar se faz preciso
    Direitos há uma vida melhor é possível
    A toda a população
    Mas melhoria tem que ser para todos
    Se não é enganação
    Dia 7 de setembro tem grito dos excluídos
    Venha participar
    Vamos para as ruas e praças
    E vamos ocupar!

    Mais informações: http://cspconlutas.org.br/2014/09/20a-edicao-do-grito-dos-excluidos-tera-como-tema-as-manifestacoes-de-rua-por-liberdade-e-direitos-ato-deve-acontecer-em-mais-de-mil-cidades-pelo-pais/#sthash.qTGFBrWj.dpuf

    Grito dos excluídos: 7 de setembro será marcado por manifestações em todo país

    Postado As:  10:51  |  Em:    |  Mais informações »

    20ª edição do Grito dos Excluídos terá como tema: "Manifestações de rua por liberdade e direitos".

    Ato deve acontecer em mais de mil cidades pelo país



    Fonte: CSP-Conlutas


    Neste ano, o 20º Grito dos Excluídos trará como tema as mobilizações que ocorreram com força no ano passado e início deste ano de Copa no país.


    O evento, que ocorre em todo feriado de 7 de Setembro, desta vez tem como lema “Ocupar as ruas e praças por liberdades e direitos,” e é organizado por movimentos sociais e pastorais católicas, acompanhando pautas da Campanha da Fraternidade 2014, “Fraternidade e Tráfico Humano”.


    Na capital paulista, o ato acontecerá às 9h, e será iniciado com uma missa na Catedral da Sé, seguida depois por uma caminhada até o Parque da Independência, no Ipiranga.


    Entre os temas abordados estão a repressão policial, a criminalização dos movimentos sociais e a violência de Estado, temas constantes durante as mobilizações de 2013 e 2014, assim como o direito à cidade e violações de direitos.


    O Grito dos Excluídos tem por objetivo tornar público a voz e o rosto dos grupos excluídos, “vítimas do desemprego, da miséria e da fome”, e entoa a disposição de luta de classes contra as políticas neoliberais e os ataques do Estado contra o povo.


    Já se tornou um tradição a CSP-Conlutas e suas entidades e movimentos filiados se somarem a essa mobilização, participando das atividades organizadas nas diversas cidades onde ocorrem os atos. Neste ano não será diferente.


    Confira as pautas que serão abordadas nos atos pelo país:


    - Juventude e a Exclusão denuncia a realidade de profunda exclusão social, sem nenhum acesso, ou acesso precário, aos bens culturais, sociais e condições para uma vida digna. Além do que, muitas vezes, são vítimas da prostituição, do assédio do tráfico de drogas ou vítimas do uso abusivo dessas drogas, o que ocasiona as rupturas dos vínculos comunitários e a rua surge como saída para a sobrevivência.


    - Comunicação, queremos denunciar os meios de comunicação de massa que vêm, ao longo da história, utilizando as mídias como instrumento de poder, alienação e manipulação da juventude e da sociedade. As mídias alternativas apresentam-se como uma forma de democratizar as informações, articular, mobilizar e impulsionar a organização coletiva em prol de objetivos comuns. Queremos anunciar que outra forma de comunicação é possível.

    - Políticas Públicas. O Grito desafia toda a sociedade a debater sobre políticas públicas para a juventude com os movimentos sociais e poder público, para que de fato as políticas públicas sejam implementadas e monitoradas, visando uma sociedade mais justa e igualitária.


    - Extermínio da Juventude: A juventude está sofrendo com a violência e o extermínio no Brasil. Os/as jovens de 15 a 24 anos são as principais vítimas de morte, estendendo-se, de forma significativa, até os 29 anos de idade. O Grito dos/as Excluídos/as clama por paz e justiça, contra qualquer tipo de extermínio, seja físico ou mental, que atinja nossa juventude e convida a todos/as a somar-se às lutas que já vêm acontecendo.


    - Juventude e Projeto Popular para o Brasil. Os jovens do campo, das periferias e favelas, das escolas e universidades, são constantemente disputados pelo projeto capitalista. É em contraposição a este projeto que os jovens devem se lançar, no desafio da construção do Projeto Popular.


    - Povos Indígenas/Tradicionais. O modelo de desenvolvimento desenfreado vem recheado de imposições na execução de seus projetos. No Brasil, o avanço da ocupação amazônica coloca em risco a delimitação de terras indígenas e quilombolas, pois existem interesses de indústrias de extrativismo e do próprio Estado com as novas políticas energéticas. Ainda, a promoção de grandes eventos internacionais vem servindo de justificativa para promover uma série de violações contra a população, como desapropriações de comunidades tradicionais – quilombolas e indígenas – projetos que tendem a somente enriquecer empreiteiras, conglomerados de comunicação e outras grandes corporações. Queremos mudanças profundas! Como a demarcação de terra e autonomia desses povos historicamente vítimas de exclusão, extermínio e escravidão. Para isso destacamos o protagonismo assumido pelos povos indígenas, que lutam pelo reconhecimento de seus territórios e denunciam as agressões e mortes que vêm sofrendo. Esse também é nosso grito!


    - Violência contra a Mulher. O número de mulheres violentadas cresce a cada ano: a cada 15 segundos uma mulher é vítima de violência no Brasil. Isso se dá pela grande desigualdade entre homens e mulheres. No mundo do trabalho, as mulheres que estão nos espaços de poder e decisão ainda são poucas, sem falar do salário, que embora exerçam a mesma função do homem, continua sendo 28% inferior ao deles. Grande parte das mulheres, especificamente 70% são ou já foram violentadas por homens e muitas vezes esta agressão parte do próprio companheiro. Como desafio, temos que nos apropriar da Lei Maria da Penha. O Grito impulsiona a discussão do papel do homem e da mulher, para que possamos combater este mal pela raiz.


    Confira o hino desta edição do Grito dos Excluídos:
    Hino do Grito dos Excluídos 2014
    (Jadir Bonacina)
    Vamos ocupar as ruas e praças
    Por liberdade e direitos
    Garantir direitos e não faltar o pão
    O povo não abre mão
    Mas é preciso ir às ruas
    Para ter solução
    Ir as ruas tem que ter objetivo
    Se não é um perigo
    Mas o povo não é bobo
    Pois lutar se faz preciso
    Direitos há uma vida melhor é possível
    A toda a população
    Mas melhoria tem que ser para todos
    Se não é enganação
    Dia 7 de setembro tem grito dos excluídos
    Venha participar
    Vamos para as ruas e praças
    E vamos ocupar!

    Mais informações: http://cspconlutas.org.br/2014/09/20a-edicao-do-grito-dos-excluidos-tera-como-tema-as-manifestacoes-de-rua-por-liberdade-e-direitos-ato-deve-acontecer-em-mais-de-mil-cidades-pelo-pais/#sthash.qTGFBrWj.dpuf

    segunda-feira, 1 de setembro de 2014

    Torcedora do Grêmio flagrada o xingando de macaco

    O racismo é algo repugnante que humilha, divide a classe trabalhadora e só beneficia quem está no poder. Escutamos muito que o Brasil é um país de muitas raças e misturas e que por isso não existe racismo, uma completa mentira! Com essa desculpa costumávamos a tolerar ataques racistas com nossos jogadores que atuam na Europa, mas agora crescem as ofensas nos gramados brasileiros e abre o debate para que algo seja feito e medidas concretas sejam tomadas de fato.

    Os xingamentos de ‘Macaco’ ouvidos pelo goleiro Aranha, do Santos, na partida contra o Grêmio pelas oitavas de final da Copa do Brasil em Porto Alegre, são os que mais agridem a população negra que por muitos anos sofrem com discriminação e exclusão da sociedade. É como se sequer fossem seres humanos. Definitivamente alguma medida deve ser tomada em regime de urgência, para punir os agressores e chacoalhar a consciência desta juventude que participa de tais atos.

    São muitos os casos semelhantes ao do goleiro Aranha, que em uma atitude corajosa chamou a atenção de repórteres e cinegrafistas para expor esta dura realidade. Este foi o quarto caso de grande repercussão no futebol brasileiro. O primeiro foi com o árbitro Marcio Chagas, em Bento Gonçalves (RS). Torcedores atacaram seu carro e deixaram bananas no retrovisor.
    O segundo foi com o zagueiro Paulão, do Internacional, que ouviu insultos racistas de um torcedor gremista na Arena Grêmio em Porto Alegre; e o terceiro aconteceu com o também santista Arouca, quando ele dava entrevista para os jornalistas na saída de campo de um jogo em Mogi Mirim (SP).

    O Sintect-VP repudia quaisquer ato de racismo, machismo, homofobia e opresão. Acreditamos que a única forma de lutar contra este problema é também lutar contra esses sistema no qual a riqueze se concentra nas maões de poucos e o povo sofre com a exploração, fome e preconceito. Não há como combater o racismo no campo sem colocar em cheque o caráter racista da FIFA e sem as punições necesárias.

    Relembre de casos de racismo envolvendo jogadores de futebol
    Aranha e Arouca avisam arbitragem sobre ofensas racistas da torcida do Grêmio na Arena
    Aranha e Arouca avisam arbitragem sobre ofensas racistas da torcida do Grêmio na Arena
    Foto: Roberto Vinícius/Agência Eleven/Gazeta Press
    O lateral Daniel Alves foi alvo de racismo na partida contra o Villarreal em abril. A torcida jogou uma banana em campo, ele em resposta à atitude comeu-a
    O lateral Daniel Alves foi alvo de racismo na partida contra o Villarreal em abril. A torcida jogou uma banana em campo, ele em resposta à atitude comeu-a
    Foto: Reprodução/Vine
    Arouca foi vítima de racismo no jogo contra o Mogi Mirim, no Campeonato Paulista. Clube foi apenas multado
    Arouca foi vítima de racismo no jogo contra o Mogi Mirim, no Campeonato Paulista. Clube foi apenas multado
    Foto: Helio Suenaga/Gazeta Press
    Em fevereiro, no duelo entre Real Garcilaso e Cruzeiro, o volante Tinga também foi xingado de macaco. Garcilaso foi multado em R$ 27 mil
    Em fevereiro, no duelo entre Real Garcilaso e Cruzeiro, o volante Tinga também foi xingado de macaco. Garcilaso foi multado em R$ 27 mil
    Foto: Denilton Dias/Vipcomm
    O árbitro Márcio Chagas da Silva foi vítima de racismo no jogo entre Esportivo e Veranópolis, no Gauchão. Esportivo perdeu pontos e foi rebaixado
    O árbitro Márcio Chagas da Silva foi vítima de racismo no jogo entre Esportivo e Veranópolis, no Gauchão. Esportivo perdeu pontos e foi rebaixado
    Foto: Futura Press
    Em 2005, Grafite se desentendeu com Desábato, que o chamou de
    Em 2005, Grafite se desentendeu com Desábato, que o chamou de “negrinho”
    Foto: Getty Images
    Volante Marino foi chamado de macaco e gorila no jogo contra o Paraná. Ele prestou queixa na delegacia contra os torcedores
    Volante Marino foi chamado de macaco e gorila no jogo contra o Paraná. Ele prestou queixa na delegacia contra os torcedores
    Foto: Divulgação
    Samuel Eto'o foi vítima de racismo diversas vezes. Em 2006, quando defendia o Barcelona, ele explodiu e deixou o gramado.
    Samuel Eto’o foi vítima de racismo diversas vezes. Em 2006, quando defendia o Barcelona, ele explodiu e deixou o gramado.
    Foto: Site oficial
    Didier Drogba, então no Fenerbahçe, foi xingado de macaco pelos torcedores do Galatasaray
    Didier Drogba, então no Fenerbahçe, foi xingado de macaco pelos torcedores do Galatasaray
    Foto: Antonio Calanni/AP
    Balotelli, à época no Milan, chegou a deixar o campo em protesto às manifestações racistas de torcedores
    Balotelli, à época no Milan, chegou a deixar o campo em protesto às manifestações racistas de torcedores
    Foto: Justin K. Aller/Getty Images
    Roberto Carlos defendia o Anzhi Makhachkala quando foi alvo de uma banana atirada por um torcedor, contra o Krylia Sovetov. Ele saiu de campo
    Roberto Carlos defendia o Anzhi Makhachkala quando foi alvo de uma banana atirada por um torcedor, contra o Krylia Sovetov. Ele saiu de campo
    Foto: Reprodução/Twitter
    Boateng foi vítima do preconceito no amistoso contra o Pro Patria no início do ano
    Boateng foi vítima do preconceito no amistoso contra o Pro Patria no início do ano
    Foto: Getty Images
    O meia português Toni Silva foi chamado de macaco pelo zagueiro Veselin Minev, do Botev Plovdiv
    O meia português Toni Silva foi chamado de macaco pelo zagueiro Veselin Minev, do Botev Plovdiv
    Foto: Divulgação
    Na Espanha, torcedora imita macaco na tentativa de ofender jogador marfinense, Mamadou Koné, do Racing Santander
    Na Espanha, torcedora imita macaco na tentativa de ofender jogador marfinense, Mamadou Koné, do Racing Santander
    Foto: Reprodução/Twitter
    Paulão, em novembro do ano passado no Betis, foi hostilizado pela torcida após ser expulso de campo. Torcedores também imitavam o som de macacos
    Paulão, em novembro do ano passado no Betis, foi hostilizado pela torcida após ser expulso de campo. Torcedores também imitavam o som de macacos
    Foto: Divulgação

    Racismo nos gramados. Até quando?

    Postado As:  10:25  |  Em:    |  Mais informações »

    Torcedora do Grêmio flagrada o xingando de macaco

    O racismo é algo repugnante que humilha, divide a classe trabalhadora e só beneficia quem está no poder. Escutamos muito que o Brasil é um país de muitas raças e misturas e que por isso não existe racismo, uma completa mentira! Com essa desculpa costumávamos a tolerar ataques racistas com nossos jogadores que atuam na Europa, mas agora crescem as ofensas nos gramados brasileiros e abre o debate para que algo seja feito e medidas concretas sejam tomadas de fato.

    Os xingamentos de ‘Macaco’ ouvidos pelo goleiro Aranha, do Santos, na partida contra o Grêmio pelas oitavas de final da Copa do Brasil em Porto Alegre, são os que mais agridem a população negra que por muitos anos sofrem com discriminação e exclusão da sociedade. É como se sequer fossem seres humanos. Definitivamente alguma medida deve ser tomada em regime de urgência, para punir os agressores e chacoalhar a consciência desta juventude que participa de tais atos.

    São muitos os casos semelhantes ao do goleiro Aranha, que em uma atitude corajosa chamou a atenção de repórteres e cinegrafistas para expor esta dura realidade. Este foi o quarto caso de grande repercussão no futebol brasileiro. O primeiro foi com o árbitro Marcio Chagas, em Bento Gonçalves (RS). Torcedores atacaram seu carro e deixaram bananas no retrovisor.
    O segundo foi com o zagueiro Paulão, do Internacional, que ouviu insultos racistas de um torcedor gremista na Arena Grêmio em Porto Alegre; e o terceiro aconteceu com o também santista Arouca, quando ele dava entrevista para os jornalistas na saída de campo de um jogo em Mogi Mirim (SP).

    O Sintect-VP repudia quaisquer ato de racismo, machismo, homofobia e opresão. Acreditamos que a única forma de lutar contra este problema é também lutar contra esses sistema no qual a riqueze se concentra nas maões de poucos e o povo sofre com a exploração, fome e preconceito. Não há como combater o racismo no campo sem colocar em cheque o caráter racista da FIFA e sem as punições necesárias.

    Relembre de casos de racismo envolvendo jogadores de futebol
    Aranha e Arouca avisam arbitragem sobre ofensas racistas da torcida do Grêmio na Arena
    Aranha e Arouca avisam arbitragem sobre ofensas racistas da torcida do Grêmio na Arena
    Foto: Roberto Vinícius/Agência Eleven/Gazeta Press
    O lateral Daniel Alves foi alvo de racismo na partida contra o Villarreal em abril. A torcida jogou uma banana em campo, ele em resposta à atitude comeu-a
    O lateral Daniel Alves foi alvo de racismo na partida contra o Villarreal em abril. A torcida jogou uma banana em campo, ele em resposta à atitude comeu-a
    Foto: Reprodução/Vine
    Arouca foi vítima de racismo no jogo contra o Mogi Mirim, no Campeonato Paulista. Clube foi apenas multado
    Arouca foi vítima de racismo no jogo contra o Mogi Mirim, no Campeonato Paulista. Clube foi apenas multado
    Foto: Helio Suenaga/Gazeta Press
    Em fevereiro, no duelo entre Real Garcilaso e Cruzeiro, o volante Tinga também foi xingado de macaco. Garcilaso foi multado em R$ 27 mil
    Em fevereiro, no duelo entre Real Garcilaso e Cruzeiro, o volante Tinga também foi xingado de macaco. Garcilaso foi multado em R$ 27 mil
    Foto: Denilton Dias/Vipcomm
    O árbitro Márcio Chagas da Silva foi vítima de racismo no jogo entre Esportivo e Veranópolis, no Gauchão. Esportivo perdeu pontos e foi rebaixado
    O árbitro Márcio Chagas da Silva foi vítima de racismo no jogo entre Esportivo e Veranópolis, no Gauchão. Esportivo perdeu pontos e foi rebaixado
    Foto: Futura Press
    Em 2005, Grafite se desentendeu com Desábato, que o chamou de
    Em 2005, Grafite se desentendeu com Desábato, que o chamou de “negrinho”
    Foto: Getty Images
    Volante Marino foi chamado de macaco e gorila no jogo contra o Paraná. Ele prestou queixa na delegacia contra os torcedores
    Volante Marino foi chamado de macaco e gorila no jogo contra o Paraná. Ele prestou queixa na delegacia contra os torcedores
    Foto: Divulgação
    Samuel Eto'o foi vítima de racismo diversas vezes. Em 2006, quando defendia o Barcelona, ele explodiu e deixou o gramado.
    Samuel Eto’o foi vítima de racismo diversas vezes. Em 2006, quando defendia o Barcelona, ele explodiu e deixou o gramado.
    Foto: Site oficial
    Didier Drogba, então no Fenerbahçe, foi xingado de macaco pelos torcedores do Galatasaray
    Didier Drogba, então no Fenerbahçe, foi xingado de macaco pelos torcedores do Galatasaray
    Foto: Antonio Calanni/AP
    Balotelli, à época no Milan, chegou a deixar o campo em protesto às manifestações racistas de torcedores
    Balotelli, à época no Milan, chegou a deixar o campo em protesto às manifestações racistas de torcedores
    Foto: Justin K. Aller/Getty Images
    Roberto Carlos defendia o Anzhi Makhachkala quando foi alvo de uma banana atirada por um torcedor, contra o Krylia Sovetov. Ele saiu de campo
    Roberto Carlos defendia o Anzhi Makhachkala quando foi alvo de uma banana atirada por um torcedor, contra o Krylia Sovetov. Ele saiu de campo
    Foto: Reprodução/Twitter
    Boateng foi vítima do preconceito no amistoso contra o Pro Patria no início do ano
    Boateng foi vítima do preconceito no amistoso contra o Pro Patria no início do ano
    Foto: Getty Images
    O meia português Toni Silva foi chamado de macaco pelo zagueiro Veselin Minev, do Botev Plovdiv
    O meia português Toni Silva foi chamado de macaco pelo zagueiro Veselin Minev, do Botev Plovdiv
    Foto: Divulgação
    Na Espanha, torcedora imita macaco na tentativa de ofender jogador marfinense, Mamadou Koné, do Racing Santander
    Na Espanha, torcedora imita macaco na tentativa de ofender jogador marfinense, Mamadou Koné, do Racing Santander
    Foto: Reprodução/Twitter
    Paulão, em novembro do ano passado no Betis, foi hostilizado pela torcida após ser expulso de campo. Torcedores também imitavam o som de macacos
    Paulão, em novembro do ano passado no Betis, foi hostilizado pela torcida após ser expulso de campo. Torcedores também imitavam o som de macacos
    Foto: Divulgação


    Lei da Anistia completa 35 anos, mas torturadores continuam impunes e até hoje o país convive com a herança das práticas de repressão e criminalização dos movimentos sociais

    Informações: sindmetalSJC


    • Aprovada em 1979, a Lei da Anistia completou 35 anos na última quinta-feira, dia 28. Foram anistiados presos políticos, pessoas perseguidas e exiladas por lutarem contra o regime militar do Brasil, mas também beneficiou agentes da repressão que torturaram e mataram trabalhadores, estudantes e ativistas políticos. A lei considerou que os casos de tortura e morte praticados por militares foram crimes relacionados às ações políticas dos militantes e não crimes. Dessa forma, a lei permitiu a anistia para assassinos e torturadores que agiram em nome do regime. A tortura é uma prática repugnante e covarde, constitui um crime contra a humanidade. 







    A repressão aos que lutam ainda existe!
    Este ano, o governo Dilma autorizou a utilização das Forças Armadas para conter manifestações durante a Copa e sancionou uma lei que permite a infiltração de policiais em organizações de trabalhadores. Diariamente trabalhadores, estudantes e ativistas de movimentos sociais sofrem com perseguições por parte dos patrões e governo. Como visto em demissões e corte de salário de grevistas que estão se tornando frequentes. Nossa juventude é agredida nas ruas e nas mobilizações e os ativistas presos passam por verdadeiras torturas psicológicas e até agressões físicas tais como durante o período nefasto da ditadura militar.
    Crimes da ditadura devem ser investigados e punidos
    Um parecer do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhado ao Supremo Tribunal de Justiça, no dia 28, pode fazer com que finalmente os agentes da repressão sejam presos e punidos no Brasil.
    O procurador afirma que a Lei da Anistia não pode impedir as investigações de crimes contra a humanidade cometidos no país. Ele também pede que a Justiça negue qualquer interpretação que deixe de fora a punição da prática de tortura ou de outros “crimes de lesa-humanidade ou a ele conexos”.
    Comissão da Verdade apura perseguições no Vale
    Na luta pelo esclarecimento dos crimes cometidos por agentes militares e empresas que colaboraram com o regime, o Sindicato dos Metalúrgicos de SJCampos e região criou o Grupo de Pesquisa da Comissão da Verdade dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região (GP-CVM/SJC).
    Os primeiros resultados do trabalho mostram que pelo menos 25 empresas do Vale do Paraíba colaboraram com o governo militar, monitorando o movimento sindical. Trabalhadores que participavam de mobilizações e atividades sindicais tinham suas atividades vigiadas e relatadas pelas empresas aos órgãos de inteligência e repressão do governo.
    Muitos dos trabalhadores vigiados tiveram seus nomes incluídos na chamada "lista suja", para que as empresas não os contratassem. Eram considerados uma ameaça ao regime por participarem das atividades sindicais e lutas contra a ditadura.
    Entre as empresas citadas estão Caterpillar, Cebrace, Embrape, Ericsson, Fiel, Ford, General Motors, Johnson & Johnson, Kodak, National, Philips, Rhodia, Volkswagen, Avibras, Confab, Engesa, FNV, Mecânica Pesada, Tecelagem Parahyba, Vibasa, Villares, Cosipa, Embraer, Petrobras e Telesp.

      Anistia: 35 anos depois, torturadores continuam impunes

      Postado As:  10:00  |  Em:    |  Mais informações »


      Lei da Anistia completa 35 anos, mas torturadores continuam impunes e até hoje o país convive com a herança das práticas de repressão e criminalização dos movimentos sociais

      Informações: sindmetalSJC


      • Aprovada em 1979, a Lei da Anistia completou 35 anos na última quinta-feira, dia 28. Foram anistiados presos políticos, pessoas perseguidas e exiladas por lutarem contra o regime militar do Brasil, mas também beneficiou agentes da repressão que torturaram e mataram trabalhadores, estudantes e ativistas políticos. A lei considerou que os casos de tortura e morte praticados por militares foram crimes relacionados às ações políticas dos militantes e não crimes. Dessa forma, a lei permitiu a anistia para assassinos e torturadores que agiram em nome do regime. A tortura é uma prática repugnante e covarde, constitui um crime contra a humanidade. 







      A repressão aos que lutam ainda existe!
      Este ano, o governo Dilma autorizou a utilização das Forças Armadas para conter manifestações durante a Copa e sancionou uma lei que permite a infiltração de policiais em organizações de trabalhadores. Diariamente trabalhadores, estudantes e ativistas de movimentos sociais sofrem com perseguições por parte dos patrões e governo. Como visto em demissões e corte de salário de grevistas que estão se tornando frequentes. Nossa juventude é agredida nas ruas e nas mobilizações e os ativistas presos passam por verdadeiras torturas psicológicas e até agressões físicas tais como durante o período nefasto da ditadura militar.
      Crimes da ditadura devem ser investigados e punidos
      Um parecer do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhado ao Supremo Tribunal de Justiça, no dia 28, pode fazer com que finalmente os agentes da repressão sejam presos e punidos no Brasil.
      O procurador afirma que a Lei da Anistia não pode impedir as investigações de crimes contra a humanidade cometidos no país. Ele também pede que a Justiça negue qualquer interpretação que deixe de fora a punição da prática de tortura ou de outros “crimes de lesa-humanidade ou a ele conexos”.
      Comissão da Verdade apura perseguições no Vale
      Na luta pelo esclarecimento dos crimes cometidos por agentes militares e empresas que colaboraram com o regime, o Sindicato dos Metalúrgicos de SJCampos e região criou o Grupo de Pesquisa da Comissão da Verdade dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região (GP-CVM/SJC).
      Os primeiros resultados do trabalho mostram que pelo menos 25 empresas do Vale do Paraíba colaboraram com o governo militar, monitorando o movimento sindical. Trabalhadores que participavam de mobilizações e atividades sindicais tinham suas atividades vigiadas e relatadas pelas empresas aos órgãos de inteligência e repressão do governo.
      Muitos dos trabalhadores vigiados tiveram seus nomes incluídos na chamada "lista suja", para que as empresas não os contratassem. Eram considerados uma ameaça ao regime por participarem das atividades sindicais e lutas contra a ditadura.
      Entre as empresas citadas estão Caterpillar, Cebrace, Embrape, Ericsson, Fiel, Ford, General Motors, Johnson & Johnson, Kodak, National, Philips, Rhodia, Volkswagen, Avibras, Confab, Engesa, FNV, Mecânica Pesada, Tecelagem Parahyba, Vibasa, Villares, Cosipa, Embraer, Petrobras e Telesp.

        quarta-feira, 27 de agosto de 2014


        Os diretores sindicais do Sintect-VP, realizaram junto aos trabalhadores do CDD Guaratinguetá, mais uma Reunião Setorial para debater e informar sobre as questões da Campanha Salarial 2014.

        A reunião aconteceu no dia 25 de agosto, segunda-feira, e estão acontecendo em todo Vale do Paraíba, Litoral Norte e Vale Histórico.


        Nesta semana, quinta-feira dia 28, haverão assembleias em 3 cidades da região para melhor aceso dos trabalhadores ecetistas. Nela, vamos dar todas as informações e tirar dúvidas sobre o andamento da Campanha Salarial e outras questões da categoria.
        Não deixem de participar!

        Diretores Sindicais realizam Reunião Setorial em Guaratinguetá

        Postado As:  10:15  |  Em:    |  Mais informações »


        Os diretores sindicais do Sintect-VP, realizaram junto aos trabalhadores do CDD Guaratinguetá, mais uma Reunião Setorial para debater e informar sobre as questões da Campanha Salarial 2014.

        A reunião aconteceu no dia 25 de agosto, segunda-feira, e estão acontecendo em todo Vale do Paraíba, Litoral Norte e Vale Histórico.


        Nesta semana, quinta-feira dia 28, haverão assembleias em 3 cidades da região para melhor aceso dos trabalhadores ecetistas. Nela, vamos dar todas as informações e tirar dúvidas sobre o andamento da Campanha Salarial e outras questões da categoria.
        Não deixem de participar!

        Parcerias-Ajuda-Contato
        Copyright © 2013 Traduzido Por: Template Para Blogspot by BloggerTheme9
        Proudly Powered by Blogger.
        back to top